guest post Camila Fiori

Mitos sobre a Obesidade

MITOS SOBRE A OBESIDADE:

Quando se trata de mitos acerca da obesidade, a lista de erros é tão longa quanto as complicações que ela pode causar. Ademais, o tratamento da obesidade consiste em quatro pilares: nutrição, atividade física, aconselhamento comportamental e farmacoterapia. Reforça-se, desse modo, o importante papel que o aconselhamento nutricional desempenha nos planos eficazes de tratamento da obesidade. Quando os pacientes são apoiados por seus prestadores de cuidados de saúde com orientações personalizadas baseadas em evidências, os resultados melhoram significativamente.

O primeiro passo no tratamento de pacientes com obesidade é abordar sobre o assunto em si, o que pode ser difícil por uma série de razões. As barreiras comuns, que podem ser reais ou percebidas, incluem a falta de educação sobre a obesidade e seu tratamento, falta de conhecimento sobre estratégias de comunicação eficazes, limitações de tempo, medo de deixar os pacientes desconfortáveis e a suposição de que os pacientes não estão não estão motivados para lidar com a obesidade.

É de suma relevância que médicos, enquanto profissionais que cuidam da saúde humana, levantem o tema da obesidade, porque os pacientes não recebem tratamento se não for discutido apropriadamente. Pesquisas indicam que os pacientes desejam que os profissionais abordem o assunto. Mais importante, conversas úteis sobre obesidade são a porta de entrada para um tratamento eficaz e melhoria da saúde dos pacientes. Médicos de várias especialidades ajudam pacientes com obesidade, dentre eles destacamos o psiquiatra e o endocrinologista.

 

É importante entender os mitos comuns da obesidade que seus pacientes – e outros profissionais de saúde – podem acreditar que são verdadeiros. Destaco, assim, três equívocos comuns sobre nutrição e obesidade:

  1. A obesidade é causada principalmente por comer em excesso: Embora a alimentação em excesso possa desempenhar um papel, o desenvolvimento e a persistência da obesidade são o resultado de vários fatores genéticos, ambientais e biológicos. Além de influenciar a obesidade, esses fatores também afetam a fome, a saciedade, a propensão para alimentos específicos e a resposta à intervenção nutricional.
  2. A vida normal pode ser retomada assim que a obesidade for resolvida: Muitas pessoas acreditam que existe uma dieta perfeita e que, uma vez identificada e implementada, a vida pode voltar ao normal. Na realidade, a condição crônica requer um plano nutricional que precisará ser continuado indefinidamente para manter o peso e a saúde estáveis. Possivelmente, uma intensificação de todo o plano de tratamento, incluindo nutrição, pode ser necessária quando o corpo se adapta metabolicamente à perda de peso. Os medicamentos antiobesidade também podem ser necessários para aumentar a adesão ao plano nutricional, induzir maior perda de peso e/ou prevenir a recuperação do peso.
  3. O ganho ou perda de peso é determinado exclusivamente por calorias: Muitas pessoas acreditam que o ganho ou perda de peso é determinado por uma equação simples – calorias ingeridas vs. calorias eliminadas. Pelo contrário, o peso e o apetite são regulados por vários processos neuro-hormonais que envolvem o tecido adiposo, órgãos endócrinos, peptídeos do trato gastrointestinal e os sistemas nervosos periférico e central. O corpo responde hormonalmente ao tipo, qualidade e quantidade de alimentos ingeridos, que vai muito além das calorias. Alimentos que aumentam os níveis de insulina, como açúcares, amidos e outros alimentos ultraprocessados, promovem a lipogênese e inibem a lipólise.

Assim sendo, inicie conversas sobre obesidade, se puder antes, pesquise em blog de saúde. Com conceitos errados, pode ser intimidante para os pacientes ter essas conversas, então é importante lembrar que abordar o tópico da obesidade com os pacientes começa com a obtenção de permissão. Considere as seguintes frases: “Tenho sua permissão para discutir o seu peso?” “Tudo bem se discutirmos o seu peso?” e “Você tem alguma preocupação com o seu peso?”. Depois que o paciente tiver concedido a permissão, concentre-se em construir uma parceria respeitosa e colaborativa. Quando os pacientes sentem que o médico está do seu lado, ficam muito mais abertos para discutir o peso e as opções de tratamento. O objetivo da conversa é “preparar o terreno” para conversas adicionais e avaliar a prontidão do paciente para o tratamento. Quando os pacientes não estão prontos, revise o tópico posteriormente e convide-os a voltar quando estiverem prontos.

Incentive estratégias nutricionais: Ao criar um plano de tratamento para pacientes com obesidade, implemente estratégias nutricionais adicionais. É mais fácil ter sucesso quando as mudanças alimentares são feitas uma etapa de cada vez. Aqui estão alguns elementos nutricionais importantes para discutir com os pacientes:

  • Aconselhe os pacientes a manter seu ambiente livre de alimentos tentadores. Muitos não reconhecem a importância de manter alimentos tentadores fora de seu alcance;
  • Incentive os pacientes a encontrar maneiras de socializar que não sejam centradas na comida, como ter companhia para uma caminhada em vez de ir a uma cafeteria;
  • Forneça orientação para enfrentar desafios alimentares, como viagens, eventos sociais, feriados e períodos estressantes. Isso pode exigir o encaminhamento a um nutricionista ou nutricionista para estratégias específicas, mas ainda é importante abordar esses tópicos para que os pacientes reconheçam o valor de estarem preparados para os desafios alimentares;
  • Administre corretamente a medicação antiobesidade, ajudando os pacientes a conectar suas escolhas alimentares com sua fome, desejos, função, energia, foco, sono e dores.

Sobre o autor | Website

Apaixonada por comunicação. Formada em Jornalismo e blogueira por Hobbie. Atual responsável por este e vários outros blogs de Internet Marketing.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.