guest post Camila Fiori

Telemedicina – O que é e para que serve?

TELEMEDICINA

Pontos positivos durante a pandemia têm sido raros, mas um ponto que pode ser facilmente destacado é o rápido surgimento da “telemedicina”, dando aos pacientes acesso a médicos e profissionais de saúde sem colocar nenhuma das partes em risco de contrair o coronavírus. Por exemplo, a Stanford Medicine passou de cerca de 2% de atendimentos a pacientes virtualmente para cerca de 80% de seus pacientes por meio de atendimentos digitais. Embora esses números certamente diminuam à medida que os casos de COVID-19 diminuem e a distribuição da vacina acelera, a “telemedicina” veio para ficar.

Embora a telemedicina facilite a consulta médica dos pacientes em muitos casos, a pesquisa cita disparidades no acesso, especialmente para grupos marginalizados que podem não ter acesso à internet ou a dispositivos móveis. Onde moramos, as políticas e regulamentações locais e até mesmo as barreiras aos provedores podem afetar nossa capacidade de acessar esses atendimentos virtuais de maneira justa e equitativa.

Em áreas urbanas desenvolvidas, uma alta porcentagem das pessoas têm acesso à internet. Mas quando se considera as desigualdades na saúde em áreas rurais e remotas, essa proporção cai consideravelmente. O acesso é ainda menos comum entre alguns grupos: pessoas com deficiência têm 14% menos probabilidade de ter acesso à banda larga de qualidade; Pacientes negros que sofrem de certas condições crônicas tinham 51 por cento menos probabilidade de ter acesso à internet do que brancos; e os pacientes estrangeiros eram 42% menos prováveis.

Além disso, muitas comunidades não confiam nas instituições de saúde por causa de um histórico de discriminação. Pacientes em comunidades minoritárias têm maior probabilidade de sentir que não podem se comunicar abertamente com seus médicos e enfermeiras e temem a má qualidade do atendimento. As tecnologias de saúde não são totalmente responsáveis pela complexidade das variáveis envolvidas em cada caso.

 

Como a telemedicina continua a se expandir e se tornar uma ferramenta crítica para fornecer resultados superiores de saúde, é imperativo que a indústria aborde a discriminação e a desigualdade existentes na saúde, em vez de contribuir para o problema. Tudo começa com consciência. Para estabelecer a base para lidar com esses problemas, devem entender onde essas disparidades existem e como podem estar impedindo as pessoas de usar a telemedicina. Uma vez que os líderes do setor ganham algum nível de consciência, existem oportunidades concretas para fazer mudanças. Os profissionais podem, por exemplo, oferecer visitas de telemedicina pelo telefone para qualquer pessoa que não tenha acesso à Internet. Também pode haver um investimento em infraestrutura de telecomunicações em locais onde ela não existe.

Embora não possamos resolver todas as desigualdades no acesso à saúde de um dia para o outro, existem meios com os quais os provedores podem seguir agora para começar a melhorar os processos de telemedicina, como tornar as plataformas digitais mais inclusivas. Até clínica popular tem iniciado esse tipo de atendimento a preços mais baixos. À medida que as organizações e profissionais de saúde trabalham para tornar o acesso à telemedicina genuinamente equitativo para todos, eles também devem trabalhar para torná-lo um serviço equitativo. A tecnologia deve ser acessível e personalizável para atender às necessidades de todos os usuários. Por exemplo, essas plataformas não devem se limitar ao inglês e ao português – elas devem oferecer opções aprimoradas e recursos de tradução para outros idiomas. Para pacientes que lutam com a barreira do idioma, a tecnologia deve encontrar maneiras de enfrentar esses desafios e ajudar a fornecer cuidados.

As visitas virtuais se tornaram um grampo da saúde, mas o trabalho não acabou. Muitos médicos têm nos relatado que estão solicitando à agência de marketing médico que possibilitem meios de divulgar esse serviço. Melhorar a telemedicina é uma missão contínua que pode melhorar os resultados para todos – ao mesmo tempo que combate a discriminação e a desigualdade na saúde. Há um trabalho crítico a ser feito para enfrentar os novos desafios que ascenderam na pandemia, aproveitando oportunidades incríveis e derrubando barreiras para a implementação da telemedicina para além do período de pandemia.

Sobre o autor | Website

Apaixonada por comunicação. Formada em Jornalismo e blogueira por Hobbie. Atual responsável por este e vários outros blogs de Internet Marketing.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.