Uncategorized Mônica Candido

Estratégia: 5 passos para ter um ótimo resultado no Linkedin

Hoje em dia, é impossível ignorar o poder e o alcance que as redes sociais têm na vida das pessoas e até mesmo na rotina das empresas. Por isso mesmo, quando falamos no Linkedin, isso é ainda mais verdadeiro.

A rede social foi fundada em 2002, na Califórnia. Desde então, só tem crescido e logo se tornou a rede corporativa mais forte do mundo, já estando presente em dezenas de países como o próprio Brasil, desde o seu começo.

De fato, há muitos anos que o Brasil fica sempre entre os três países que mais utilizam internet no mundo, especialmente no tocante às redes sociais. Por isso, é comum encontrar todo tipo de anúncio nelas, desde notebook novo até roupas e alimentos.

Além, é claro, de soluções mais nichadas e até industriais, que cada vez mais começam a aparecer nessas plataformas, sobretudo as de teor mais corporativo. Como o próprio LinkedIn e suas concorrentes, a Bebee, a Xing e a Viadeo.

Na prática, o internauta brasileiro passa em média 3 horas e 30 minutos conectado nas mídias sociais, segundo pesquisa da Global Digital Overview. Portanto, já não é possível uma marca dizer que não se interessa por esse filão de audiência, concorda?

Por isso mesmo, o poder que as redes sociais têm de gerar leads e novas oportunidades é algo incrível. Na prática, atualmente poucas iniciativas podem ser tão assertivas e promissoras quanto criar conteúdos e disseminá-los por essas plataformas.

Além de tornar o funil de vendas muito mais dinâmico para qualquer tipo de negócio, também existe o benefício de aproximar a marca do seu público e humanizar sua proposta de modo incomparável.

Imagine uma fábrica de peças plásticas, por exemplo, que a princípio poderia ter dificuldades para se inovar e assumir uma imagem mais descolada. Pois bem, nas redes sociais ela pode implementar uma identidade muito mais informal.

Em alguns casos, até os emojis e memes podem ajudar a fazer algo descontraído, que tem alto poder de engajamento e até de compartilhamento. Mas para isso é preciso saber como exatamente proceder sem perder o fio da meada.

Por isso decidimos escrever este artigo, trazendo alguns conceitos indispensáveis da área e as 5 dicas ou passos mais importantes para qualquer empresa ter um ótimo resultado no LinkedIn.

Aliás, o mais interessante é isso mesmo: aqui não há contraindicações para este ou aquele segmento de mercado, de modo que qualquer nicho pode obter resultados incríveis, seja para vender máquinas industriais ou cordão para caneca.

Então, se você quer criar uma estratégia realmente promissora para renovar sua imagem digital no curto, médio e longo prazo, basta seguir adiante na leitura.

1. Conheça melhor o LinkedIn

Como vimos, o LinkedIn tem surfado uma curva incrível de crescimento, que já conta com mais de 500 milhões de usuários ativos, sendo que ao menos 10% deles estão no Brasil. Ou seja, são mais de 50 milhões de brasileiros ali presentes.

Foi-se o tempo em que o site era visto apenas como uma plataforma para enviar e receber currículos, ou mesmo como um meio de fazer networking.

Embora essas funcionalidades continuem sendo possíveis e até aconselháveis por realmente trazerem bons resultados, ao entender do assunto, vemos que é possível fazer muito mais.

Por isso mesmo, “compreender” o LinkedIn é algo que vai além de saber quem é o seu fundador ou em que ano ele criou o site. É preciso entendermos as relações possíveis entre pessoas físicas e jurídicas (corporativas).

Por exemplo, uma empresa de paisagismo e jardinagem não precisa de clientes apenas, mas também de uma base de fornecedores, para produzir suas soluções. Além, é claro, de parceiros, que podem ir desde a produção até seus esforços comerciais.

Basicamente, os tipos de relações possíveis são os seguintes:

  • B2B: Business to Business;
  • B2E: Business to Employee;
  • D2C: Direct to Consumer;
  • B2G: Business to Government.

Ou seja, a relação da empresa pode se dar com outra empresa, com funcionários, com o consumidor final direto ou com o governo. Ainda há outras relações possíveis (como o C2C, Consumer to Consumer), mas são secundárias.

O fundamental é que o seu planejamento leve em conta qual dessas relações você vai estabelecer dentro do LinkedIn, como modo de entender melhor o que a plataforma pode oferecer e o direcionamento a ser tomado.

2. O poder do planejamento

Acima abordamos sobre o planejamento como algo de passagem, mas é preciso lembrar que no fundo ele faz parte dos grandes diferenciais de qualquer estratégia de marketing digital, sobretudo quando se fala em uma rede como o LinkedIn.

É a conhecida história, “quem não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve”. Isso quer dizer que o planejamento traz um horizonte mais racional a ser buscado.

O ideal para uma empresa é que ela tenha uma meta para o ano inteiro, e que depois vá dividindo os estágios em semestre, trimestre, bimestre e assim sucessivamente, até que saiba o que fazer hoje e no dia seguinte.

Se a empresa lida com algo como rótulos adesivos personalizados, é claro que seu portfólio pode até mudar no meio do caminho. Mas o importante não é ter os detalhes, mas sim um norte, como uma agenda editorial.

 

Com essa agenda, é possível definir antecipadamente o que vai ser publicado, em que modalidade, se com anúncio ou sem, em parceria ou solo, e daí em diante. Tudo isso ficará mais claro adiante.

3. Sobre o marketing de conteúdo

Pouca gente costuma se lembrar, devido à correria do dia a dia, mas o grande diferencial das redes sociais é criar conteúdos atraentes, que sejam originais e capazes de atrair o público-alvo, gerando valor para as pessoas.

O modo principal de fazer isso é conciliando o LinkedIn com as estratégias de marketing de conteúdo, cujo nome já diz tudo.

Também conhecido como content marketing, esse tipo de marketing tem a missão de criar materiais de todos os tipos sobre o seu segmento de atuação, educando o público e atraindo as pessoas aos poucos, como se cada material fosse uma isca.

Assim, os artigos de um blog sobre banner impressão digital podem servir como base para uma sequência de posts que vão ser feitos no LinkedIn, garantindo mais densidade e profissionalismo ao conteúdo postado.

Outro formato possível é fazer links diretos entre a rede social e o blog, o que aliás tem um alto potencial de gerar engajamento e até compartilhamento.

Lembrando que o LinkedIn tem uma ferramenta específica de anúncios, que a marca pode publicar na íntegra como modo de atrair ainda mais leitores. Com isso, ela também comprova sua autoridade naquele assunto.

4. Por dentro dos grupos

Outras redes sociais mais voltadas para pessoas físicas e bate-papo entre amigos já são conhecidas pelos famosos “grupos”, que podem reunir pessoas dos mais diversos interesses.

Agora, imagine o poder que isso tem em termos de universo corporativo. No caso do LinkedIn, a primeira grande dica é participar de grupos nichados.

Ali, podem surgir várias dúvidas técnicas sobre sua área de atuação. Assim, se você interage com uma empresa que fabrica colar comprido feminino e demonstra seu conhecimento na área, seu networking e sua influência já vão crescendo.

Ao ganhar a devida experiência, você pode criar seus próprios grupos de discussão, com tópicos voltados para seus melhores interesses e estratégias.

Há vários modos de divulgar seus grupos e conteúdos, que vão desde engajar seus próprios funcionários, até utilizar hashtags, pois o LinkedIn já integrou esse recurso.

Além disso, é perfeitamente possível (e até necessário) fazer anúncios, mas isso é tão relevante que vamos aprofundar em um tópico à parte, logo abaixo.

5. Investindo em anúncios

As principais redes sociais existentes hoje permitem inscrição gratuita e dão várias funcionalidades para usuários que não pagam por anúncios.

Contudo, um passo importante para profissionalizar é utilizar os recursos Ads (Advertising, que significa “propaganda” em inglês), que têm a vantagem de poderem ser altamente segmentados e customizados.

Assim, você define o perfil de usuário que quer impactar, fazendo seus créditos não serem desperdiçados.

Além do mais, é possível criar campanhas que podem ter como base textos, vídeos e até inbox, que são como e-mails enviados diretamente para os usuários do seu perfil.

Considerações finais

De tudo o que dissemos, ficou claro como o LinkedIn permite a qualquer negócio lançar mão de estratégias e táticas que têm tudo a ver com as maiores tendências do momento.

Assim, além do planejamento e de medidas próprias da cultura empresarial de cada marca, a empresa pode crescer e muito focando no marketing de conteúdo, na criação de grupos, na postura expansiva frente ao networking, no uso de Ads, etc.

Ademais, um negócio como uma imobiliária, que aluga desde sala comercial pequena até grandes espaços para eventos, ainda pode segmentar sua estratégia e trabalhar várias frentes diferentes ao mesmo tempo.

Com isso chegamos ao fim, convictos de que esses 5 passos podem servir como norte para quem queira iniciar ou mesmo melhorar sua estratégia no LinkedIn.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.