organização Mônica Candido

Como levar o meu carro do Brasil para Portugal?

Para quem deseja se mudar para Portugal, mas não quer deixar o seu carro no Brasil é muito importante saber que é necessário um pouco de empenho para conseguir realizar esta tarefa, pois, levar carro do Brasil a Portugal não é bem simples quanto transportar um carro entre cidades ou estados.

Diferente da utilização dos serviços de transporte rodoviário, o transporte de veículos para o exterior exige diferentes tipos e modalidades de frete, possuem características únicas e precisam ser bem analisadas.

Como opção favorável para a logística da empresa, é muito comum que os clientes acabam pagando muito pelo serviço, principalmente por não ter acesso à informação. A transportadora Lunar em parceria está promovendo este conteúdo para te ajudar no transporte de seu carro para o exterior.

Como levar carro do Brasil a Portugal?

A seguir, você verá todas as informações necessárias para te ajudar a levar o carro do Brasil a Portugal de maneira simples e segura.

Saiba qual é a sua necessidade

A primeira coisa a se fazer para começar seu planejamento para levar carro do Brasil a Portugal é determinar suas necessidades. É preciso entender de que maneira, quando e as condições que você deseja que seu carro seja recebido em Portugal, se existe um meio de transporte mais fácil e a quantidade de dinheiro que você está disposto a gastar nesta operação.

Esses fatores são importantes para o cálculo do valor e da melhor forma de transportar o seu carro, pois o frete é definido de acordo com os pontos de embarque e desembarque, a urgência, o peso da carga e a disponibilidade da transportadora (se o meio de transporte está vago na data que você especificar).

Saiba o funcionamento das modalidades de transporte

Ao transportar seu carro para Portugal, é importante ter o conhecimento de como cada método interfere na questão do frete. Conhecer suas opções facilita a definição da melhor forma de contratação desse serviço.

Se o caso fosse para transporte dentro do Mercosul, como opção mais vantajosa, as empresas de transporte disponibilizam caminhões cegonha que transportam veículos por via terrestre. 

A carga e descarga de veículos é muito mais simples, no transporte rodoviário é mais fácil garantir a segurança, pois a empresa possui ferramentas de rastreamento e monitoramento e múltiplas bases de operação em todo o país. Além disso, com disponibilidade de frete estável, as necessidades recorrentes podem ser atendidas com mais rapidez e preços mais competitivos podem ser fornecidos.

Outra opção é o transporte aéreo de carro, que atende principalmente clientes que precisam de entrega rápida, pontual e segura. As transportadoras usam apenas aviões de carga, oferecem voos exclusivos ou fretados e usam os principais aeroportos para pouso e decolagem. 

No caso da locação do serviço de transporte aéreo, quando é adotado o sistema de entrega porta a porta, a carga e descarga dos veículos depende do auxílio da base operacional. Esta pode não ser a opção mais econômica de levar seu carro para Portugal.

Existe outra modalidade de transporte internacional de veículos: o transporte marítimo. Neste modo, os veículos podem ser enviados para qualquer lugar do mundo pelo mar de três maneiras diferentes:

Balsas

Usada para o transporte de curta distância, alugar uma balsa para o transporte de veículos também é comum e menos burocrático. Em muitos casos, é necessário entender a disponibilidade desse modo de transporte, mas de modo geral ele é oferecido e garantido pela transportadora e pode ser alugado a qualquer momento.

 

Container

Os contêineres são considerados a forma mais fácil de transportar carros, motocicletas ou embarcações, você pode alugar contêineres em qualquer porto do mundo para facilitar o envio e recebimento de seu carro. 

O serviço é contratado, sendo que o contêiner é transportado em fechado com apólice de seguro que garante indenização em caso de sinistro (incluindo colisão e avaria do contêiner) ou até mesmo queda do navio.

Roll in – Roll Out

A modalidade Roll in-roll out, envolve enviar seu carro através de um enorme navio, com o carro estacionado no pátio durante a viagem. Este método é utilizado principalmente para carros novos que estão sendo exportados ou importados por grandes montadoras, mas pode ser utilizado também por pessoas que queiram mudar de país e levar o seu carro, como, por exemplo, levar carro do Brasil a Portugal.

O envio de veículos em navios RoRo (apelido derivado do nome do esporte, referindo-se ao fato de que os carros entram e saem do navio em movimento) é perfeito para o transporte de carros grandes que não podem ser carregados em um contêiner.

Saiba as formas de cobrança de frete

As empresas que trabalham na realização desse tipo de transporte fazem a cobrança desses serviços normalmente de duas formas: freight collect e prepaid freight. Veja a seguir como cada uma das modalidades de frete funciona.

Freight collect

No frete a pagar, o importador só paga quando o veículo chega ao destino do transporte, ou seja, quando a mercadoria é recebida e descarregada.

Prepaid freight

Nesse tipo, o frete será pago quando o veículo entrar no veículo de transporte. Dessa forma, quando o destino do importador é alcançado, o desembarque é realizado e o processo estará concluído.

Entenda os Incoterms

Para realizar o transporte entre países, importadores e exportadores precisam entender e cumprir rigorosamente as disposições dos Incoterms, ou seja, International Commercial Terms (em inglês, “Termos de Comércio Internacional”).

A definição dos Incoterms é negociar corretamente sem problemas para ambas as partes. Para funcionar com precisão, ele é definido em várias categorias, que entenderemos a seguir:

 

  • Grupo C – Transporte Principal Pago: nesta forma, existem basicamente 2 subcategorias ligadas ao transporte rodoviário. A primeira é a CFR, o exportador é totalmente responsável pela mercadoria, que deve transportar a mercadoria até o ponto de coleta designado pelo importador, onde o caminhão é carregado. 
  • A partir do momento em que a mercadoria é entregue no destino final, o exportador paga o frete e o importador fica responsável. Já na outra subcategoria, a CIP, a única diferença é que além de pagar pelo frete, o exportador também é obrigado a pagar pelo seguro da carga;
  • Grupo D – Referente à chegada: Na principal subcategoria, a DAT, dedicada ao transporte rodoviário, o exportador só pode entregar a mercadoria em depósitos próximos ao importador, onde o importador é responsável por retirar a mercadoria e realizar o restante do processo de importação;
  • Grupo E – Partida: nesta modalidade, o importador é responsável por todos os custos após a entrega da mercadoria. O exportador é responsável por fornecer todos os documentos exigidos pelo importador, envolvendo o embarque da mercadoria;
  • Grupo F – Transporte Principal Não Pago: a subcategoria FCA, do Grupo F,  define que o exportador é responsável por todos os trâmites até que a mercadoria seja mantida sob responsabilidade da transportadora.

 

 

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.