Uncategorized Thaís Correa

3 Tipos de Sitemaps

Existem diferentes tipos de sitemaps, e todos eles têm como objetivo esclarecer aos mecanismos de pesquisa, como no caso do Google, de que maneira o site é estruturado, suas atualizações e páginas a serem indexadas.

Geralmente, esse recurso é criado por meio do formato XML, e utilizá-lo é fundamental para as estratégias de marketing e SEO.

Os buscadores organizaram todas as páginas que existem na web, por isso, são capazes de responder a todas as dúvidas dos usuários, levando até eles sites sobre os mais diversos tipos de assunto.

Para fazer isso, recorrem a rastreadores que varrem a internet 24 horas por dia, em busca de novos conteúdos que serão elencados nos resultados de pesquisa.

Os donos de sites podem ajudar nesse processo por meio do sitemap, mas antes de colocá-lo em prática, é fundamental saber um pouco mais sobre ele.

Gestores e empreendedores que estão mais familiarizados com o marketing digital já sabem que as páginas precisam ser leves, responsivas e otimizadas. Mas, existem mais coisas que precisam ser aprendidas.

Neste artigo, vamos entender o conceito de sitemap, sua importância para o marketing digital e SEO e quais são os principais tipos.

Entenda o conceito de sitemap

Chamamos de sitemap um documento de texto que facilita o processo de indexação das páginas nos mecanismos de busca, como no caso do Yahoo, Google e Bing.

Os crawlers, rastreadores usados por essas plataformas, são aprimorados constantemente, contudo, a densidade dos conteúdos presentes na web também cresceu, o que aumentou a dificuldade dos rastreadores.

O buscador descobre uma página de um fabricante de baterias tracionárias pelas por meio de links inseridos naquelas que já foram indexadas. 

Por sua vez, o sitemap ajuda nessa varredura e lista todas as URLs de um site que estão relacionadas a metadados.

Eles informam quando a página é modificada ou simplesmente criada, sua frequência de uso, o idioma de seu conteúdo e a relevância que apresenta em relação a outras páginas. 

Os conteúdos informados por esse recurso são:

  • Vídeos;
  • Imagens;
  • Textos;
  • Áudios.

Essa estratégia também menciona o tempo de execução, a faixa etária do material e em qual categoria ele se encaixa. 

Nas imagens, informações são anexadas, como licenças de uso, resolução, tipo de arquivo e assunto.

Geralmente, o sitemap pode ser acessado por meio do seguinte link: “/sitemap.xml” depois do endereço do site. 

Dentre as informações que esse código rastreia estão:

  • Nível de relevância;
  • Frequência de atualização;
  • Data da última modificação;
  • Localização da URL.

Assim sendo, pode-se dizer que um fabricante de janela com veneziana utiliza o sitemap para traduzir os dados de seu site, de modo que ele seja perfeitamente compreendido pelos buscadores, além de reunir as informações em um documento legível.

De maneira resumida, a função desse recurso é mostrar para os buscadores como o site é organizado e quais são os conteúdos presentes em suas páginas. A sua principal característica é o uso de um código para fazer essa organização.

Importância do sitemap para as empresas

O marketing digital se tornou a principal maneira de divulgar uma marca, seus produtos e serviços, e o ponto de partida das estratégias é um site institucional da companhia.

Só que todas as empresas possuem um site e muitas delas disputam entre si a atenção do mesmo grupo de consumidores. 

Estes, por sua vez, pesquisam tudo o que precisam na internet, então é necessário se destacar.

Para que o site apareça entre os primeiros resultados de pesquisa, os responsáveis por suas páginas precisam utilizar as estratégias de SEO (Search Engine Optimization).

Trata-se de um conjunto de práticas que têm como objetivo otimizar as páginas do site, para que elas apareçam entre os primeiros resultados de pesquisa.

O sitemap ajuda a melhorar o posicionamento, e a partir disso começamos a compreender a importância dele para o marketing digital e para o SEO.

Se uma empresa de limpeza de cadeiras de tecido consegue aparecer entre os primeiros resultados, então esse recurso é importante para ela também.

Quando as páginas de seu portal estão devidamente vinculadas, os buscadores conseguem detectar o conteúdo rapidamente.

Nesse contexto, o sitemap surge como um recurso que trabalha com arquivos menos usuais, além de disponibilizar uma grande quantidade de dados.

 

Páginas que dependem de um grande percurso de links para serem acessadas levam mais tempo para serem identificadas. 

Outro fator são conteúdos baseados em linguagens menos convencionais, que podem não ser bem compreendidos.

Se uma empresa de serviços de higienização de estofados costuma atualizar constantemente seu portal, fica mais difícil para que as publicações sejam indexadas instantaneamente, por isso ela precisa ajudar os crawlers.

Alguns critérios também mostram quando o negócio precisa usar o sitemap. Um bom exemplo são os sites muito grandes, assim como os mais recentes.

As páginas isoladas também precisam desse recurso, além de sites que possuem conteúdos de rich media. Inclusive, se a plataforma não se encaixa aos critérios estabelecidos pelo Google, mesmo assim pode ser bem ranqueada.

Mas, é importante destacar que esse recurso não garante que todos os itens do site sejam indexados ou rastreados. Ele também não conta com comandos que ajudam a incorporar as páginas imediatamente, devendo ser interpretado apenas como um facilitador.

Alguns parâmetros definem a qualidade do rastreamento, assim sendo, o sitemap auxilia apenas na interpretação do conteúdo e das atualizações, para que o processo de indexação seja mais eficiente.

Tipos de sitemaps

No ano de 2006, a Microsoft, o Google e o Yahoo firmaram um acordo para definir o padrão de criação de sitemaps. O objetivo é facilitar a indexação das plataformas, em qualquer tipo de pesquisa realizada.

A partir disso, as companhias, como uma empresa de aluguel de multifuncionais, tiveram mais facilidade para inserir o site nos buscadores, e estes, por sua vez, conseguiram trabalhar no rastreio de maneira mais eficiente.

Como resultado, as pesquisas de todos esses sites de busca se tornaram muito mais ricas e precisas, beneficiando os usuários.

Para aplicar esse recurso, o proprietário do site deve acessar o portal sitemaps.org. Lá é explicado que o recurso pode ser aplicado de diferentes maneiras, além de usar extensões que ajudam a indexar as páginas.

Os principais tipos são vídeos, imagens, notícias, e tudo isso é feito de acordo com as categorias específicas presentes nos sites de busca, como no caso das abas de vídeos, notícias e imagens.

A partir disso, fica mais fácil compreender os formatos de sitemaps que uma loja de persiana blecaute romana pode aplicar.

O Google aceita diferentes formatos, como RSS, MRSS, Atom 1.0 e TXT, contudo, o padrão mais eficiente continua sendo o XML.

Para quem não está tão familiarizado com o recurso, o mais simples é o TXT, sendo este um arquivo de texto onde todas as URLs do site são listadas.

Quanto aos formatos RSS e MRSS, bem como o Atom são muito conhecidos por conta dos feed de notícias, mas é importante dizer que eles se limitam devido ao fato de informar apenas as publicações mais recentes dos sites.

Por outro lado, se um fabricante de ribbon para impressora argox escolher o XML, terá um recurso muito mais eficiente em vários sentidos.

Isso porque, além de ser capaz de listar e classificar as URLs do site, levando em conta diferentes critérios, também consegue avisar os buscadores sobre informações adicionais de mídia, algo que pode ser muito importante.

Essa facilidade, inclusive, é ainda mais essencial quando o foco das postagens são os produtos vendidos pela empresa, bem como conteúdos audiovisuais.

Também é possível criar sitemaps exclusivos para as publicações de imagem, vídeo, notícias e em plataformas e-commerce.

Os buscadores utilizam seções específicas para os vários formatos de conteúdos, e eles podem ser informados para ranqueá-los do jeito certo.

Se uma máquina de estampar tecido tem essa intenção, então ela deve criar um sitemap adicional, apenas para a categoria do material.

Esse arquivo vai se diferenciar por meio de suas extensões, que possibilitam incorporar dados complementares, como duração de vídeo, preço de produto e autoria de imagem.

No que diz respeito à categoria de notícias, é necessário lembrar que antes de enviar um sitemap com tais extensões, o site precisa ser cadastrado no Google News Publisher Center.

Conclusão

Sendo assim, como todos os dias surgem novas páginas da internet, muitas delas são atualizadas frequentemente, e os gerenciadores desses portais precisam ajudar os buscadores a localizar páginas e conteúdos, para que possam ser ranqueados.

Os diferentes tipos de sitemaps que vimos ao longo deste artigo organizam todas as publicações e conteúdos, para que os buscadores possam organizá-los e oferecê-los durante as pesquisas dos usuários.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.