Uncategorized Mônica Candido

Modelos de negócios: escolha um que combine com sua marca

Os modelos de negócios são caracterizados por serem um esboço de como a empresa planeja lucrar com seu produto levando em conta um público pré-definido e em um mercado específico. Ou seja, em sua essência, um modelo de negócio explica:

  • Qual produto ou serviço uma empresa venderá?
  • Como pretende comercializar esse produto ou serviço?
  • Que tipo de despesas ele enfrentará?
  • Como espera obter lucro?

Como o próprio nome já diz, trata-se de um “molde” de um negócio de sucesso que você pode seguir para obter os resultados que deseja. Como existem diversas tipologias, não é difícil encontrar novos modelos de negócios que dão uma roupagem nova para ideias antigas, mas que não deixam de ser funcionais.

Mas quais são os modelos de negócios mais comuns? E como são as novas opções? Para ajudar a responder esses questionamentos, fizemos uma listagem explicativa. Além disso, separamos dicas valiosas para quem está começando no varejo online. Confira!

Quais são os modelos de negócios?

1. Business to Consumer

O modelo Business to Consumer ou B2C é uma referência de negócio em que a empresa fornece diretamente para o consumidor, sem passar por uma revenda ou algo do tipo. Aliás, não é algo exclusivo para produtos, mas também serviços.

Podemos inserir como exemplo alguns supermercados com seus produtos exclusivos, restaurantes, bares e marketplaces de nicho.

2. Business to Business

O modelo Business to Business ou B2B é um padrão de negócio no qual empresas oferecem serviços diretamente para outras empresas. Ou seja, pode ser desde o fornecimento de matérias primas até produtos finalizados.

Alguns exemplos são prestadores de serviços, fabricantes e atacadistas.

3. Direct to Consumer

O modelo de negócio Direct to Consumer, ou D2C, é muito confundido com o B2C, mas se difere no quesito de que é a indústria (algo em escala maior) oferece diretamente para o cliente final.

Enquanto o B2C é em uma escala menor, como um restaurante, e também fornece também para outras possíveis pequenas empresas, o D2C é algo maior e diretamente para o consumidor final.

Por exemplo, lojas de fábrica e montadoras de carros.

4. Peer to Peer

O modelo de negócio Peer to Peer, também conhecido como P2P ou Pessoa para Pessoa, é aquele em que o fornecimento de um produto ou serviço é intermediado apenas por pessoas.

Por exemplo, OLX, no qual usuários oferecem algo que lhes pertence mas que não interessam mais. Outro exemplo é o Mercado Livre.

5. Franquia

Talvez esse seja o modelo mais conhecido entre os brasileiros e sonho de muitos novos investidores varejistas. Quem nunca ouviu falar nas marcas Natura, Boticário, McDonald’s e Cacau Show?

Esse é o modelo de negócios no qual uma pessoa contrata o direito de comercializar os produtos da matriz em uma determinada região. Mas existem algumas particularidades nessa vertente.

Por exemplo, algumas franquias não permitem certas customizações e é preciso seguir à risca o que é determinado, como arquitetura e receitas. Burlar qualquer uma das regras é passível de multa e encerramento do contrato.

Novos modelos de negócios que não são tão novos (apenas não são explorados)

Como dissemos logo no início do texto, novos modelos de negócios são apenas releituras e adaptações que são tão geniais que é impossível não fazer sucesso. Dessa forma, criamos essa categoria especial de velhos novos modelos de negócios que estão “bombando” no mercado.

1. Assinatura

Ouviu falar em assinatura e logo lembrou do jornal que chegava toda manhã em sua casa ou da revista semanal com as atualidades que já não eram tão atuais? Pois, agora pense em como o modelo de negócios pautado na assinatura pode ser algo inovador.

 

Não consegue imaginar? Vamos te ajudar:

  • Spotify
  • Netflix
  • Amazon Prime
  • Globoplay

Sim, são novos serviços que abraçam a tecnologia e a oferecem em forma de assinatura, ao invés de pagar a mensalidade da locadora de vídeos (se sentiu velho? Eu também!) você paga Netflix.

2. Freemium (degustação de assinatura)

Free + Premium = Freemium. Esse é, sem dúvidas, o modelo de negócios que parece que não é lucrativo por oferecer algo gratuito, mas não é bem assim. Na verdade, é um dos mais rentáveis e conhecidos entre a nova geração.

Basicamente a empresa oferece uma “degustação” do serviço por tempo ilimitado, mas com funções limitadas. Não entendeu? Veja a lista abaixo.

  • Spotify: oferece serviço gratuito, mas não permite algumas funcionalidades como montar playlist ou escolher ordem de músicas. Além disso, pode rolar algumas propagandas entre uma canção ou outra
  • Globoplay: oferece os canais abertos de graça, mas se você quiser assistir Big Brother Brasil ou as séries exclusivas, precisará desembolsar uma mensalidade

3. Software as a Service

O modelo de negócios conhecido como SaaS é como um B2B ou B2C só que envolvendo exclusivamente tecnologias do tipo softwares. Sendo assim, esse modelo inclui concepção, criação, implementação, suporte técnico, manutenção e licenciamento para a empresa contratante.

Alguns exemplos são a Resultados Digitais, SalesForce e olist.

[Bônus] Marketplace

Pense em um shopping virtual, dentro dele há inúmeras lojas que vendem desde sapatinhos de bebê até placas de vídeo, passando por bebidas e maquiagens. Essa é a melhor descrição de um marketplace.

Trata-se de um espaço em que grandes lojas autorizadas e jovens varejistas disputam lado a lado a atenção dos clientes. Esse é um modelo de negócio que foi adotado por diversos e-commerces durante o período de pandemia e que se transformaram em marketplaces conhecidos, como Shoptime.

Veja abaixo outros famosos marketplaces:

  • Americanas
  • Casas Bahia
  • Amazon
  • Mercado Livre

Atualmente, você pode utilizar duas formas de ingressar nos marketplaces. A primeira consiste no método original, que é fazer cadastro, aguardar aprovação, finalizar cadastro, inserir produtos e, aos poucos, construir uma reputação para que seus produtos sejam exibidos cada vez mais entre os primeiros resultados.

A outra forma consiste em utilizar uma ferramenta SaaS, como o olist. Por meio de um de seus planos, o Olist Store, você já começa a apresentar seus produtos entre os primeiros resultados e também permite que você anuncie em vários marketplaces ao mesmo tempo, aumentando suas chances de venda.

Por fim, agora que você conhece a maioria dos modelos de negócios, saiba que um dos principais fatores para o sucesso do seu negócio está na escolha correta do que mais combina com a sua empresa. Desejamos bons negócios e até a próxima!

 

Este texto foi escrito pela equipe do olist, uma solução completa para lojas que querem vender online de forma prática e profissional. Com milhares de lojas parceiras em mais de 180 países, o olist tem ferramentas que facilitam a criação de loja virtual, a venda em marketplaces e a operação logística no e-commerce. Conheça o olist.

 

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.